Boa visão ao conduzir durante a noite

É fácil pensarmos na visão como algo garantido, sobretudo quando estamos em movimento. Como condutor de carro ou moto, ciclista ou até como peão, a visão é responsável por mais de 90% da informação de que necessita para reagir de forma segura (1). Uma visão saudável permite-lhe ler os sinais de trânsito e aperceber-se de movimentos, como um cão ou uma criança a atravessar-se no seu caminho.

Mas sabia que 1 em cada 5 condutores não consegue ver bem a estrada devido a um problema de visão não tratado (1)?

Felizmente, a maior parte das doenças oculares pode ser tratada de forma rápida e fácil. Os sintomas das doenças oculares podem incluir:

  • Dificuldade em focar objetos, seja ao longe, ao perto ou ambos
  • Visão desfocada
  • Dores de cabeça
  • Olhos secos, doridos ou irritados
  • Dificuldade em ver de noite
  • Encandeamento ou outros tipos de distorção na presença de luzes brilhantes

Uma visão defeituosa é um dos principais fatores de risco de acidentes em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. Manter uma visão adequada pode proporcionar uma experiência de mobilidade mais segura para si e para as pessoas à sua volta.

As perguntas frequentes e artigos desta página darão resposta a muitas das suas perguntas sobre – e também mostrar-lhe – como uma boa visão é importante para a segurança rodoviária. Seja qual for o seu meio de transporte – carro, mota, scooter, bicicleta ou a pé –, uma boa visão salva vidas (talvez a sua ou das pessoas mais próximas de si).

(1) 2012, Vision Impact Institute, O impacto social e económico de uma má visão

É provável que tenha mais questões relativas à condução e à visão.

Manter uma visão adequada pode conduzir a uma experiência de mobilidade mais segura para si e para aqueles que o rodeiam. Para ajudar a apoiar, respondemos às perguntas mais prementes dos condutores.

Como é que a visão tem impacto na mobilidade?

Uma visão adequada é fundamental para conduzir com segurança, seja um automóvel ou uma mota. Mesmo uma pequena perturbação da visão pode afetar o tempo de reação durante uma atividade em que todos os momentos contam. Uma melhoria de uma fração de segundo no seu tempo de reação pode evitar um acidente.

De noite, uma visão sem corrigir pode tornar-se ainda mais problemática, uma vez que a probabilidade de ocorrência de acidentes mortais é duas a quatro vezes maior quando o condutor tem visão turva.

Usar óculos com um revestimento antirreflexo (AR) melhora o tempo de reação, reduzindo o reflexo dos faróis e da iluminação pública nas lentes. As lentes antirreflexo também melhoram a acuidade visual e o contraste, ambos fundamentais para conduzir em situações de pouca luz.

Os problemas de visão não corrigidos podem provocar dificuldade em ver os sinais de trânsito e as indicações na estrada, sobretudo em pessoas com miopia, que têm dificuldade em ver ao longe.

Esta visão turva também pode afetar os peões ou desportistas, dificultando a leitura dos sinais de trânsito nas passadeiras.

Os condutores com hipermetropia e presbiopia têm dificuldade em ver objetos próximos, como uma aplicação de mapa no telemóvel ou os números e indicações no painel de instrumentos, alguns dos quais devem ser frequentemente verificados.

Demorar mais uns segundos a tentar decifrar o conta-quilómetros ou o indicador de combustível, o rádio, os controlos de temperatura ou o GPS pode distrair a sua atenção e afetar o tempo de reação.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 80% dos problemas de visão podem ser prevenidos, corrigidos ou curados. Com a ajuda de um oftalmologista, pode manter os seus olhos saudáveis e a sua visão corrigida, para conduzir de forma mais segura e confortável.

Devo usar óculos para conduzir de noite?

Sim, usar óculos graduados à noite é uma excelente forma de aumentar a segurança rodoviária. Isto aplica-se sobretudo a pessoas com um nível elevado de miopia, hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia.

Conduzir com a visão turva é especialmente perigoso de noite, devido à pouca luz e a um menor contraste. Os condutores com uma visão turva têm entre 2 e 4 vezes mais probabilidade de ter um acidente mortal de noite do que os condutores com uma visão normal.

Usar óculos com um revestimento antirreflexo (AR), concebido especificamente para a condução noturna, é a melhor solução. Este tipo de revestimento antirreflexo não só melhora o tempo de reação, reduzindo o encandeamento provocado pelos faróis e pela iluminação pública, como também melhora a acuidade visual e o contraste, ambos importantes quando se conduz em condições de pouca luz.

Também estão disponíveis no mercado “óculos para conduzir de noite”, mas não está provado que melhorem sempre a visão noturna. Da próxima vez que for ao oftalmologista, pergunte-lhe o que pode fazer e quais as opções disponíveis para melhorar a sua visão quando conduz de noite.

De que forma beber álcool afeta a sua visão como condutor?

Há um motivo pelo qual se conduzir, nunca deve beber. O álcool pode ter um efeito significativo na visão, para além das muitas formas como afeta o pensamento e a cognição. Como condutor, o consumo de álcool afeta a capacidade de focagem visual e o tempo de reação.

Há pequenos músculos nos olhos que trabalham constantemente para focar a nossa visão. O álcool afeta a coordenação dos músculos e esses músculos dos olhos não são exceção. Quanto mais álcool consumir, mais afetada fica a capacidade de focagem, pelo que vai sentir uma visão cada vez mais turva e visão dupla, especialmente perigosa quando se conduz um veículo de noite.

O álcool também pode aumentar a secura dos olhos, diminuir a visão periférica (tendo como consequência uma visão de túnel) e reduzir a capacidade de diferenciar vários níveis de contraste, um fator fundamental da visão noturna. Também está provado que os distúrbios noturnos ofuscantes, como os halos à volta dos faróis ou da iluminação pública, também aumentam com o consumo de álcool.

Conduzir começa com a visão e debilitar este sentido tem um efeito dominó noutras partes do corpo. Uma vez que o desempenho cognitivo e o bom senso também são afetados com o aumento do consumo de álcool, é possível que os seus efeitos na visão sejam perigosamente subestimados.

É seguro conduzir depois de certa idade?

O Observatório Europeu da Segurança Rodoviária (OESR) afirma que as noções preconcebidas acerca de os condutores mais velhos representarem um risco para a segurança não são necessariamente verdadeiras e que a segurança de um condutor “depende da condição física e mental do indivíduo”. O envelhecimento da visão é apontado como um dos principais fatores físicos que torna os condutores mais vulneráveis.

O OESR determinou que “os condutores mais velhos têm mais probabilidade de se lesionarem do que de porem os outros em risco”, sobretudo devido à vulnerabilidade física provocada pela idade. O Observatório concluiu que os condutores com mais de 75 anos duplicam a taxa de lesões e quintuplicam a taxa de mortes do condutor médio. Estas taxas são sensivelmente 3 a 7 vezes mais elevadas do que a faixa etária anterior: condutores entre os 65 e os 74 anos.

A diferença é ainda mais pronunciada de noite, quando a sensibilidade reduzida ao contraste torna mais difícil avaliar a velocidade, a distância e os pequenos detalhes. As pupilas diminuem menos e deixam entrar menos luz e há um aumento dos distúrbios visuais noturnos, como o encandeamento provocado pelos faróis.

Para além de erros refrativos mais fáceis de tratar, como a presbiopia, as cataratas não tratadas também aumentam o risco na condução. Os condutores com cataratas têm 2,5 vezes mais probabilidade de já terem estado envolvidos num acidente e demoram mais 0,35 segundos a reagir na estrada. A 130 km/h, esta fração de segundo representa mais 12 metros de distância de paragem.

Manter a graduação das lentes em dia e obter tratamento para problemas de visão tratáveis garante uma viagem mais segura para as pessoas mais idosas.

Qual o tipo de óculos que não deve usar durante a condução?

Há muita informação disponível relativamente aos melhores óculos para conduzir de noite, pelo que é compreensível se não souber quais escolher.

Os “óculos para conduzir de noite” com lentes amarelas são muitas vezes anunciados como uma solução. No entanto, um estudo revelou que nem sempre são eficazes e alguns produtos de pouca qualidade podem até ter como resultado uma pior visão para conduzir de noite. A sua cor amarelada bloqueia a luz azul dos faróis, mas também reduz o contraste, numa situação em que este já é reduzido, o que pode ser perigoso. O mesmo problema aplica-se aos “óculos de tiro” com lentes de cor, que são frequentemente apontados como uma solução mais económica.

As lentes de cor são classificadas pela densidade da cor – as lentes de categoria 0 são translúcidas e as de categoria 4 são tão escuras, que apenas entre 3% e 8% da luz as consegue atravessar. Uns óculos com umas lentes mais escuras do que as de categoria 0 – incluindo os óculos de sol – não devem ser usados para conduzir de noite ou ao anoitecer, uma vez que impedem que muita luz alcance os seus olhos.

Pelo contrário, os óculos graduados com um revestimento antirreflexo (AR) podem reduzir o encandeamento “interno” e os reflexos associados à condução noturna. Estes óculos reduzem ou eliminam as perturbações visuais associadas às lentes tradicionais sem revestimento, como os halos e os feixes de luz.

Usar lentes antirreflexo pode reduzir tempos de recuperação críticos durante a condução noturna, para além de melhorar a acuidade visual e o contraste.

A melhor forma de decidir qual o tipo de lentes a usar – ou não usar – ao conduzir é consultando o seu oftalmologista. Uma vez que conhece as suas necessidades de visão específicas, pode recomendar-lhe produtos de alta qualidade que vão funcionar bem para si.

A luz dos faróis incomoda-o quando conduz de noite? Quais são as soluções?

Há fortes probabilidades de se ter sentido incomodado com os faróis dos veículos que circulam na direção oposta. Se viajar a 130 km/h e a sua visão for afetada pelos veículos que circulam em sentido contrário, pode viajar mais de 500 metros com a visão limitada. Alguns óculos limitam esse efeito, reduzindo a fadiga ocular e melhorando a segurança na condução noturna.

Adicionar um revestimento antirreflexo (AR) às lentes dos seus óculos pode eliminar a maior parte dos reflexos e reduzir significativamente os efeitos do encandeamento na estrada, proporcionando a visão nítida e o conforto que lhe estava a faltar ao conduzir de noite. As lentes antirreflexo Crizal Drive, por exemplo, têm até menos 90% de reflexos do que as lentes normais.

Também há lentes de alta definição, chamadas lentes free-form que reduzem ainda mais os elementos de distração, como o encandeamento e as radiações da luz. As pessoas com graduações mais elevadas costumam beneficiar mais com este tipo de lentes.

Embora os óculos de sol polarizados sejam eficazes na redução da luminosidade do sol durante o dia, não se recomenda a sua utilização para reduzir o encandeamento provocado pelos faróis, de noite. Os “óculos para conduzir de noite”, com lentes amarelas, nem sempre beneficiam comprovadamente a visão durante a condução noturna e alguns produtos de menor qualidade podem até piorá-la.

Pergunte ao seu oftalmologista quais as opções que ele recomenda para reduzir o encandeamento e melhorar a visão durante a condução noturna.

Tenho dificuldade em ver de noite. É normal?

Uma visão noturna reduzida nem sempre é provocada pela idade, mas é um dos problemas de visão de que as pessoas mais se queixam à medida que envelhecem. Estas alterações podem ser acompanhadas pela presbiopia, uma parte totalmente natural do processo de envelhecimento, que começa a afetar a visão a partir dos 40 anos. A dificuldade em focar objetos ao perto, que se sente com a presbiopia, é provocada pela fragilização dos músculos dos olhos e por uma lente menos flexível no interior do olho.

À medida que as pessoas envelhecem, as suas pupilas têm tendência para se tornarem mais pequenas e menos reativas à luz. Umas pupilas mais pequenas permitem que entre menos luz nos olhos. Este efeito é mais percetível em situações de pouca luz, quando toda a quantidade de luz é importante para ver no escuro.

A culpa também pode ser de uma lente mais baça no interior do olho – e se esta se tornar demasiado opaca, pode formar-se uma catarata. As pessoas com cataratas não tratadas precisam de mais 0,35 segundos para reagir a circunstâncias da condução, aumentando a distância de paragem em até 12 metros ao viajar a a 130 km/h.

Se tem dificuldade em ver de noite, o primeiro passo é marcar um exame ocular completo no oftalmologista. Embora seja pouco provável que se trate de uma doença mais grave, o médico vai poder descartar outros problemas e sugerir os tratamentos disponíveis.

A partir de que graduação precisa de óculos para conduzir um carro ou uma mota?

Embora não haja leis específicas acerca da graduação para conduzir carros ou motas, cada país tem requisitos gerais.

No Reino Unido, por exemplo, tem de conseguir ver o número de uma matrícula a 20 metros de distância – aproximadamente à distância de cinco carros – durante o dia, com ou sem óculos (ou outro tipo de correção).

Num teste ocular, é exigida uma acuidade visual de 0,5 (6/12) em ambos os olhos, o que significa que deve conseguir ler a 6 metros de distância o que uma pessoa com visão “normal” consegue ler a 12 metros. Isto corresponde, aproximadamente, uma visão 20/40, dois “passos” abaixo da visão 20/20 (6/6, no Reino Unido).

Na graduação de uma pessoa com miopia, a visão 20/40 é representada por uma dioptria de -0,75. As dioptrias aparecem normalmente na receita da sua graduação na secção “Esférico”.

As pessoas míopes com dioptrias de 0,00, -0,25 ou -0,50 têm pelo menos uma visão 20/30 e não são obrigadas por lei a usar óculos. Embora não seja obrigatório por lei ter uma visão 20/20, esta proporciona sempre a maior segurança rodoviária.

Outras partes da sua receita podem ser mais difíceis de decifrar, como por exemplo a receita de uma pessoa com astigmatismo. Além disso, os requisitos de teste para as pessoas com hipermetropia (ver mal ao perto) ou presbiopia podem variar.

Um oftalmologista ou um oculista podem analisar se a sua visão cumpre os requisitos legais para conduzir no seu país.

Como saber se precisa de óculos, como utilizador da estrada?

Pisca ou força os olhos para conseguir ver quando está ao volante ou a andar de mota? Talvez precise de óculos para ver com nitidez o que se passa à sua frente.

Uma visão desfocada e pouco nítida é um sintoma dos quatro problemas oculares mais comuns e que se podem facilmente resolver com óculos: miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia.

Não lhe acontece só a si, pode ter a certeza. Até um em cada cinco condutores, o que corresponde a milhares de milhões de pessoas em todo o mundo, não conseguem ver bem a estrada devido a problemas de visão não corrigidos.

Aqui fica uma análise mais detalhada sobre como alguns destes problemas comuns podem afetar a sua segurança rodoviária:

MIOPIA: Vê os sinais de trânsito ao longe desfocados. Porque é que é um problema? Se não conseguir ler as indicações de saída até estar muito próximo dela, vai ter de virar de forma brusca (o que é um risco para si e para os outros veículos) ou sair na seguinte saída e voltar para trás.

HIPERMETROPIA: Está a ficar sem combustível? Está a conduzir demasiado rápido? Pode ser difícil ler essas indicações no painel de instrumentos. Neste caso, as consequências ligadas à segurança rodoviária são óbvias: pode ficar parado na berma ou ser multado por excesso de velocidade.

Com astigmatismo, os objetos ao longe e ao perto podem ficar desfocados.

Com presbiopia, frequentemente chamada dificuldade em ver ao perto relacionada com a idade, a partir dos 40 anos, vai começar a ter dificuldade em focar o painel de instrumentos e outros objetos a curta distância.

A solução para cada um destes problemas é usar óculos. Peça ao seu oftalmologista para lhe fazer um exame ocular e lhe receitar uns óculos.

Compre os óculos de que necessita para ver com nitidez através do para-brisas (para sair com segurança da autoestrada) e para desvendar os números dos indicadores do painel de instrumentos (para não ser surpreendido pelo som de uma sirene da polícia atrás de si).

Existem óculos adequados para conduzir que corrijam tanto a visão ao perto como ao longe?

Sim. As lentes progressivas corrigem a visão ao perto, ao longe e a distância intermédia. A secção intermédia cobre tudo o que se encontra entre as distâncias focais curtas e longas.

Nas lentes progressivas, a visão ao perto e intermédia ocorre na parte inferior, enquanto a visão ao longe tem lugar na parte superior. Isto adapta-se especialmente bem à condução, uma vez que o painel de instrumentos se encontra à sua frente, na parte inferior do seu campo de visão, enquanto a estrada fica, naturalmente, ao nível da parte superior da lente.

As lentes progressivas têm uma transição fluida, dando a sensação de uma lente única e ininterrupta e proporcionando uma aparência mais jovem. E pode evitar o desagradável “salto” de imagem que tem com as lentes bifocais e trifocais, o que acontece quando desloca os olhos entre as linhas rígidas das zonas focais.

Embora possa demorar algum tempo a habituar-se a ver através de diferentes ampliações numa única lente, as vantagens de ter uns óculos que satisfaçam todas as suas necessidades de distância visual vão superar amplamente o pequeno inconveniente do período de adaptação.

Leia mais sobre boa visão ao conduzir durante a noite

10 dicas para melhorar a sua condução noturna

Conduzir de noite pode ser mais perigoso do que conduzir de dia, devido à escuridão, ao encandeamento provocado pelos faróis e a outros perigos da estrada. Por causa destes riscos, é importante manter a segurança visual e tomar as devidas precauções.

A sua estrada com vista está pronta?

Encontre um oculista perto de si